“A gente quer colocar o nosso povo, a nossa cor na passarela”, diz Yngrid sobre Desfile de moda Favela Fashion Zic

Casa do Hip Hop e artistas locais lançam coleção de roupas exclusivas durante a V Semana

Por Lucas Zanetti
Fotos: Thamires Motta

“Pra quem acha que favela não curte moda, tai uma prova. Nós curtimos o bang e ainda temos bom gosto”. Este foi o discurso de Yngrid Suellen, co-idealizadora do desfile “Favela Fashon Zic”, que aconteceu no último sábado, 7 de novembro, na Estação Ferroviária durante a V Semana do Hip Hop de Bauru.

IMG_2307
Yngrid Suellen na abertura do desfile

“Nós não nos somos representadas no mundo da moda. A gente quer colocar o nosso povo, a nossa cor lá na passarela. Nosso povo preto, pobre e periférico”, explica Yngrid, que também é estudante de moda e oferece oficinas de customização de roupas na Casa do Hip Hop. “Eu quis inserir o movimento Hip Hop na moda porque a gente também gosta de se vestir bem, só que as pessoas não reconhecem isso, infelizmente’’, completa.

IMG_2291

“O maior motivo é mostrar que a gente está vivo não só para o público do Hip Hop, mas para quem está de fora também”

O evento contou com o lançamento da nova coleção de camisas da Casa do Hip Hop, inspirada em militantes e personalidades do movimento negro como Zumbi dos Palmares, Nelson Mandela, Marighella, Malcolm X e Carolina de Jesus, sendo desenvolvidas pelo dono da BlackStar Design e designer da Casa do Hip Hop, Robinson Oliveira, conhecido como Robinho. “O maior motivo é mostrar que a gente está vivo não só para o público do Hip Hop, mas para quem está de fora, mostrar que a gente tem capacidade de desenvolver coisa legal”, explica Robinho.

Além da nova coleção, o desfile também contou com as camisetas personalizadas dos grupos Além da Rima, Ment Blindada, JotaF&Black Thing Skateboarding DJ Ding e P.D.G Records. O evento também contou com a participação especial da Bauru Breakers Crew dançando e se apresentando antes dos desfiles, som da discotecagem black music do DJ Moonhbeat’s.

IMG_2207 IMG_2267 IMG_2293

Para quem desfilou, o “Favela Fashon Zic” também representou. Os modelos da Casa do Hip Hop tiveram liberdade para desfilar da maneira que acharam melhor, sem ficarem presos aos desfiles de moda tradicionais. Muitos utilizaram elementos do breaking em suas apresentações, que renderam aplausos e delírios do público. “Cada um desfilou no seu estilo. Isso que eu achei daora. Você desfila, faz a pose do jeito que quiser”, explica a modelo Ana Gabriela Rodrigues.

A nova coleção da Casa do Hip Hop conta com modelos adultos e infantis unissex, e pode ser adquirida por preços acessíveis entre R$ 30,00 e R$ 60,00 durante toda Semana do Hip Hop ou na Casa do Hip Hop. Os modelos são limitados.

IMG_2118 IMG_2264

 

*O desfile foi idealizado e organizado por Yngrid Suellen e Jéssica Rabello

*Veja todas as fotos no Facebook da Semana do Hip Hop de Bauru

 

III Semana Municipal de Hip Hop de Bauru: evento entra no calendário oficial da cidade

Terceira edição conta com nomes como GOG, Thaíde, Sombra e Projota

por Revista Rap Nacional*

Já consagrada como um dos maiores eventos culturais de Bauru, a Semana Municipal de Hip Hop chega à sua terceira edição mais forte que nunca. De 9 a 17 de novembro, o festival vai ocupar diversas áreas da cidade com shows de rap, exposições de graffiti, batalhas de breaking, sessões de cinema, oficinas, debates e ações educacionais.

É a primeira vez em que a Semana acontece como parte integrante do Calendário Oficial de Eventos da cidade, instituída pela Lei 6358, de 24 de maio de 2013. O reconhecimento do poder público trouxe novas dimensões ao festival, que este ano conta com quatro nomes de peso do rap nacional em sua programação. Thaíde, GOG, Sombra e Projota são shows confirmados, respectivamente, para os dias 9, 10, 16 e 17.

A agenda de shows inclui também artistas e grupos que fazem sucesso no cenário local do movimento. A escalação de bauruenses para a Semana conta com AlemDaRima, DJ Ding, D’Bronx, JotaF, BetinMC, Abanka, Dois1Dois, Thigor MC, Ment Blindada, Bandidos em Harmonia, Tiago Vurto, D’Quebra, Dom Black, RapNobre MC e Coruja BC1, menino prodígio que vem conquistando reconhecimento no circuito nacional desde o ano passado.

 

Palco “Interior tem voz”. Buscando valorizar a rica produção do Hip Hop além dos holofotes das grandes cidades, o festival realiza no feriado do dia 15 uma sequência de shows trazidos de diferentes cidades do interior paulista. Ao longo de toda a tarde, a praça pública do Parque Santa Edwiges recebe apresentações de Veneno H2 (Franca), Ramonstro (Barretos), Lheo Zotto (Ribeirão Preto), Sintonia Sonora (Barra Bonita), Daniel Garnet e Pqnoh (Piracicaba), Revolução LDE (Marília) e Prodígios (Jaú).

Lugar de mulher é no palco. Tendo entre seus organizadores a Frente Feminina de Hip Hop da cidade, a Semana não poderia deixar de ter atrações que representassem a força das mulheres no movimento. Duas MCs têm presença confirmada no evento: a são-carlense Sara Donato, que canta no Sambódromo no dia 10, e a paulistana Tábata Alves, escalada para o encerramento no Parque Vitória Régia, no dia 17. Além delas, a b.girl Aline Afrobreak vem da capital para ministrar uma oficina de breaking para meninas no dia 14, no Centro Cultural.

Hip Hop no currículo. Consciente do papel do Hip Hop como ferramenta de formação, a Semana tem como uma das suas principais características a realização de atividades educativas e conscientizadoras. Serão oficinas, debates e outras ações, com o objetivo de incentivar a reflexão e circular informação entre o público do evento.

Seis dos nove dias de festival contam com oficinas, dedicadas a oferecer informações básicas a quem gostaria de atuar em diversas vertentes do movimento. Haverá aulas gratuitas sobre produção de vídeos, graffiti, breaking e criação de beats. Já os debates e as rodas de bate-papo abordarão temas que vão da discriminação de camadas sociais desfavorecidas à presença da mulher no Hip Hop.

Henrique Tomas no Combo 5 Elementos

Além disso, a terceira edição da Semana tem como novidade a realização dos chamados “Combos dos Cinco Elementos” em escolas públicas de Bauru, levando bate-papos e apresentações aos alunos. Ao todo, oito escolas receberão os Combos, que acontecem nos dias 11, 12, 13 e 14.

 

Construção colaborativa. A 3ª Semana Municipal de Hip Hop é uma realização do Ponto de Cultura Acesso Hip Hop e da Prefeitura Municipal, em parceria com Frente Feminina de Hip Hop de Bauru, CurtaBauru, Casa Fora do Eixo Bauru, Wise Madness, Frente de Hip Hop do Interior Paulista, Rede Nacional das Casas de Hip Hop, Bauru Breakers Crew, Oficina Cultural Glauco Pinto de Moraes e Secretaria de Estado da Cultura. A iniciativa conta com o apoio de Caritas Diocesana, Conselho Regional de Psicologia, Rádio Unesp FM e Madiba Shop e Projeto Colorindo o Interior.

 

Flyer da III Semana Municipal de Hip Hop de Bauru
Flyer da III Semana Municipal de Hip Hop de Bauru

 

*publicado originalmente em 7/11/2013

II Semana Municipal do Hip Hop: Shows, debates, cinema e formação

Semana Municipal do Hip Hop de Bauru chega à segunda edição com mais força e atividades de formação

*publicado em JCNet

As atividades da II Semana Municipal de Hip Hop, promovida pela Secretaria Municipal de Cultura em parceria com o “Ponto de Cultura Acesso Hip Hop” e a Somos1 Produções Coletivas, prosseguem neste feriado prolongado.

As atividades da Semana acontecem até domingo, 18 de novembro, com sarau, oficinas, shows e exibição de filme. O objetivo é apresentar a cultura Hip Hop sem discriminar as demais manifestações culturais, buscando o respeito pela diversidade cultural, além de dar oportunidade a jovens e adolescentes da periferia da cidade para apresentarem seus trabalhos em diferentes espaços.

Durante a Semana serão realizadas oficinas, debates, palestras saraus e shows, visando divulgar o Hip Hop como instrumento de integração social de crianças, jovens e adultos com a cultura popular periférica.

A Semana conta com apoio do Wise Madness, Unesp Fm, Enxame Coletivo, Fora do Eixo, e-colab e Jornal da Cidade. Abaixo a Programação completa do evento:

Programação

Shows 15/11

15h – Projeto Ensaio. Local: Bosque do Geisel (Bronx)

*Shows com Los Trinca (Marilia), Bandidos em Harmonia, Betim Mc,

Ment Blindada, Coruja BC1, Dom Black, Thigor Mc

17/11

13h РSegundo Sarau de arte urbana. Local: Pra̤a Rui Barbosa

*Exposições e recital de poesia, performances teatrais, Performance de malabares, Performance de dança, Performance de Djs.

* Pocket show com, Além da Rima, JF e RapNobre Mc, D’Bronx Mc, Thigor Mc e Fabrica da Rima

18/11

15h – Encerramento com apresentações artísticas, Rima de Roda e show com Rael da Rima. Local: Pq. Vitória Régia

* Apresentação de Djs e B.Boys, e exposição de poesias

* Pocket Show com, Ment Blindada, Coruja BC1, Além da Rima, Problema Crew (Marilia), May Mc (Júlio Mesquita), D’Bronx, RapNobre Mc.

*Show com Rael da Rima

Roda de Conversa

18/11

17h – Roda de conversa com Rael da Rima sobre Gestão de Carreira Independente, Local: Pq. Vitória Régia

Cinema

16/11

20h – Cinoia – Filme “Bixo de Sete Cabeças” + Bro Mc’s. Local: embaixo do Viaduto 13 de maio

17/11

19h30 – CINEXTINÇÃO Especial na Semana do Hip-Hop com exibição do filme “Wild Style” (“Estilo Selvagem!”), legendado, de 1983, primeiro longa metragem sobre o Hip-Hop. No Empório Contracultural Extinção, Rua Cussy Júnior, 8-17 (Centro), com 15 Lugares.

Graffiti

15/11

9h – Grafitagem. Local: Biblioteca Ramal do Núcleo Geisel, Rua Alziro Zarur, 5-8

Oficinas

16/11

14h às 18h – Oficina “Radio, a Linguagem como Ferramenta” com João Lima. Local Sede do Enxame Coletivo, Rua Agenor Meira 12-39 Centro.

16/11

19h30 – Oficina de Street Dance e bate papo sobre o Hip Hop  no Galpão Wise Madness, na Rua Braz Lemos de Almeida 2-45, Vila Aviação B

16/11

16h – Oficina de Beatmaker. Local: Ponto de Cultura Acesso Hip Hop na Rua Maria José, 5-66, Jd. Altinópolis

Breaking

15/11

15h – Apresentação e roda de Breaking, Local: “Projeto Ensaio” no Bosque do Geisel (Bronx)

17/11

13h РApresenta̤̣o do grupo Bauru Breakers Crew e roda de aberta no Sarau de Arte Urbana. Local: Pra̤a Rui Barbosa

 

*publicado originalmente em 15/11/2012

Triunfo no Ponto

DSC_0880
Gilberto Yoshinaga no lançamento da biografia de Nelson Triunfo em Bauru
Texto: Keytyane Medeiros

Imagens: Keytyane Medeiros e Felipe Amaral, para blog e-Colab*

Dia das mães, dia de Rap no Ponto. Coração aperta e se divide. A vontade de voltar para a minha quebrada, pro colo da mãe é grande, mas a vontade de ficar, fortalecer as atividades do Ponto de Cultura Acesso Hip Hop e conhecer o autor da biografia de Nelson Triunfo também é.Por fim, escolhi ficar em Bauru e comparecer à Cussy Jr, 13-55, local que está sendo ressignificado a cada dia, a cada atividade e já tem se tornado o ponto de encontro de vários grupos e movimentos orgânicos da cidade, relacionados ao Hip Hop, à cultura negra e à discussão política entre os jovens.

Major, da Bauru Breakers Crew

Ontem, 11 de maio, foi o dia do lançamento do livro biografia “Nelson Triunfo: Do Sertão ao Hip Hop” de Gilberto Yoshinaga aqui em Bauru. Gilberto é jornalista, formado pela Unesp e passou 5 anos pesquisando e acompanhando Nelson Triunfo em viagens e eventos de hip hop, ou não, como ele mesmo pontua.

“Desde 97, época em que eu morei e estudei aqui em Bauru, eu já vinha acumulando várias informações sobre Hip Hop e queria usar esse material, mas eu achava muito amplo um livro sobre Hip Hop, eu queria um enfoque mais específico. Por incrível que pareça, eu sonhei que escrevia a biografia do Nelsão e pensei ‘Que ideia legal! Como ninguém pensou nisso antes¿’ Como a história dele conta automaticamente a história da Soul Music e do Hip Hop no Brasil veio a calhar, porque eu já tinha 15 anos de material [guardado sobre o tema]”, afirma Gilberto.

Nelson Triunfo começou sua carreira como dançarino em 1977 em São Paulo, em plena ditadura militar. Conhecido como “Pai do Hip Hop” no Brasil, foi um dos pioneiros no uso dos estilos, danças, batidas e músicas existentes no movimento como ferramenta de educação em projetos sociais. Além disso, Nelsão também é poeta, músico e ator.

O autor ainda confessa “eu achei que o Nelson tinha uma representatividade mediana dentro do movimento no Brasil, mas quando fui ver, percebi que era gigante a importância dele, muito maior do que eu esperava.”. Yoshinaga também fez questão de que o livro fosse lançado de maneira independente, por meio de sua editora Shuriken Produções (produtora do Zap-san e Mr. Giba, expoentes do rap sorocabano), para que pudesse valorizar o trabalho do autor e do biografado, sem falar do problema das editoras atravessadoras dentro da indústria cultural no país.

Sobre o desentendimento recente entre Zap-san e Projota, Gilberto lamenta porque, “pra quem não acompanha o movimento Hip Hop fica essa imagem da violência, da agressividade, da coisa negativa e não é nada disso que o Hip Hop prega. A mídia não noticia quando um show dos Racionais salva uma vida, mas quando tem uma briga entre um rapper desconhecido e um mediano, alardeia”.

Rapper D’Bronx também se apresentou no Ponto de Cultura Acesso Hip Hop

Gilberto Yoshinaga ainda falou sobre a conduta Hip Hop, que, segundo ele, deve ir além da música e dos beats e se transfere também para a humildade no trato com as pessoas e no “Bom dia” que devemos desejar ao porteiro, ao vendedor de rua, ao rapaz da padaria. Logo após contar alguns causos sobre o livro, Gilberto sorteou um exemplar com base em algumas perguntas e o ganhador foi o rapper Jota F.

Além do lançamento do livro, houve apresentações de dança com o Bauru Breakers Crew, shows do Dom Black e do D’Bronx, dos iniciantes do Impacto ZL e a presença da Biblioteca Móvel – Quinto Elemento, das meninas da Frente Feminina de Hip Hop. E a promessa do Renato Magu, um dos organizadores do Ponto de Cultura é trazer o próprio Nelson Triunfo no próximo semestre. Vamos esperar!

*publicado originalmente em 12/05/2014