Aprendizado e Dança: o fim de semana das Batalhas na semana do hip-hop


Os dias 12 e 13 ficaram marcados pelos workshops e as batalhas no Sesc e na Casa do Hip-hop

Por Gabriela Martínez e Felipe Sousa

O fim de semana do nono dia da programação da VI Semana Municipal do Hip Hop, abriu o espaço para a dança, Krump, All Style, Popping e Breaking foram muito bem representados no Sesc Bauru e na Casa do Hip Hop de Bauru.

image

No sábado (12), o dia foi de muita dança e muito aprendizado, com Workshops de grandes nomes, como mister Jeff no Popping, Casper da Backspin Crew, Kustelinha da Bauru Breaks Crew e Evertinho da All Stepps no Breaking, e Jey Hatkilla no Krumping.

image

As eliminatórias foram marcadas pela presença de grupos da região, Assis, Marilia, Botucatu, entre outras cidades, tiveram os seus artistas em batalhas no Sesc da cidade. Com o sorteio realizado, os adversários se enfrentavam na busca pelo prêmio da semana. Teve inicio as batalhas de all Style, julgadas pelo Mister Jeff, onde os dançarinos nessa batalha devem demonstrar o seu talento na sua dança de origem e também o seu improviso a cada música tocada pelos Djs BASIN, ao todo foram inscritos 16 participantes de diferentes estilos em busca de ser o melhor da semana do hip-hop.

image

Ás 16 Horas, o All Style, abriu espaço ao Krumping, em uma batalha julgada por Hatkilla, os Krumpers, como são conhecidos os dançarinos de Krumping, se desafiaram  para ser o melhor, foram inscritos 16 participantes de diferentes cidades da região, foram escolhidos  4 semifinalistas e decidido no domingo na Casa do Hip Hop de Bauru.

O final da tarde no Sesc ficou marcado por um dos elementos principais da Cultura Hip Hop, o Breaking. Ao todo foram inscritos 12 crew’s de Breaking de diferentes cidades, as semifinais foram definidas para a final na Casa do Hip Hop de Bauru.

image

Finais

No domingo a energia das batalhas continuava presente na Casa, ao som dos DJS  Basin e Borogui, o Breaking, o Krumping e o All Style  foram muito bem representados. As decisões começaram pelo estilo Krumping, o jurado Jey Hatkilla afirma que  as apresentações foram  de extrema qualidade. ”Foi insano hoje, foi porrada pura, a gente vê que tem muitos Bboys estudando e se adaptando ao estilo.”  A final  ficou entre 7k Buck e Insane Killer diretamente de Piracicaba, que se consagrou o vencedor do estilo e o melhor Krumper da VI Semana Municipal do Hip Hop.

image

As Batalhas de All style, trouxeram ao salão da estação a mistura da dança com seus diferentes ritmos, desde o rap até o samba, o jurado dessa vez foi Mister Jeff de Mogi das Cruzes, considerado referência ao pessoal da nova escola da dança. “Eu achei muito importante primeiramente, eu agradeço a minha família, meus amigos e ao ciclo vicioso no qual dança me propôs, os grupos que eu passei Die hard crew, Discípulos do ritmo, e agora Action Family e o trabalho agora com o Tim Brasil, foi uma enorme satisfação, eu agradeço por da essa oportunidade, estar ontem vivenciando uma experiência através do workshop e fazendo parte do corpo de jurado nesse desafio a nesse nível, eu creio que é uma coisa que já acontece mas é pouco novo em termos de soar no ouvido das pessoas das batalhas de All Style.” A final entre Davi e Pitbull, foi o puro talento da dança e do Krump, o vencedor por decisão unanime foi o paulista Pitbull.

A final do Breaking foi uma das mais aguardadas aos fãs da Cultura Hip Hop e da dança, em disputa as crew’s Killers  contra Irmãos Metralha. A final foi o mais puro breaking de qualidade, os integrantes de cada crew tomaram  o saguão da antiga estação ferroviária, lembrando muito os tempos da antiga Estação São Bento, marco inicial do Hip Hop no Brasil. O B-boy Kustelinha, juntamente com Bboy Casper da Backspin Crew tiveram  a difícil missão de decidir quem saiu como vencendor na VI Semana Municipal do Hip Hop. Kustelinha afirma que a competição foi de alto nível.” Na competição a energia estava muito boa, os Bboys da região estão representando muito bem o interior de São Paulo, a cena está crescendo muito, a nova geração está chegando com bastante informação, conseguindo desenvolver mais em relação aos movimentos, conhecimento que é o principal, eles estão pegando essas informações e está fluindo, está sendo uma coisa  bem legal na cena”.  A melhor crew da Semana do Hip Hop foi a Killers, os vencedores ganharam um premio em dinheiro e uma tatuagem, o vice-colocado também ganhou uma premiação em dinheiro.

image

Combo 5 Elementos do Hip Hop chega com tudo nas escolas Bauruenses

A VI Semana de Hip Hop de Bauru além de todas as atrações trouxe para a cidade também mais conhecimento sobre a cultura hip hop

Por Mariana Soares
Fotos Thaiane Cuba

Na tarde dessa sexta feira (10), rolou o último Combo 5 Elementos do Hip Hop na Escola Municipal Geraldo Arone trazendo muita música, break, grafite e conhecimento. A equipe chegou por volta das 15h da tarde e foi recebida com muita empolgação pelos alunos.

Alisson Ferreira Vieira é Mc e junto com o Vinícius Thomas são os responsáveis pelo Combo 5 Elementos do Hip Hop. O combo começou em 2012 junto com a Semana de Hip Hop de Bauru e tem por objetivo apresentar às crianças e adolescentes todos os elementos que compõe a cultura do Hip Hop, contando toda a sua história e relevância na sociedade. Além disso, busca também atrair um novo público para o movimento, afirma Alisson.

 

15032337_372954299708482_1945208121132524255_n
Crianças na Sorri.

Passando por 9 escolas públicas e pelo Centro Especializado em Reabilitação SORRI, o Combo sempre traz muito encantamento e faz questão de deixar sua marca por onde passa com um grafite. A apresentação começa, inclusive, com a história desse elemento. A explicação vai desde o grafite em Nova Iorque dos anos 70, até a sua aceitação e evolução nos dias de hoje. “No grafite você pode desenhar de tudo que você quiser, só usar bastante a imaginação”, complementou B.boy Luiz Henrique Frabetti, mais conhecido como Major.

 

Bia Benedito e Vini Vira Lata em frente ao graffiti realizado na Escola Madureira
Bia Benedito e Vini Vira Lata em frente ao graffiti realizado na Escola Madureira
14993574_374445939559318_1095996329163657381_n
B. boy Graxa e B.boy Will Canela com alunos da Escola Geraldo Arone

O segundo elemento apresentando para a molecada é o break, a dança que acabou com a briga no gueto. A explicação termina com uma demonstração do elemento com os B.boys Graxa, Major, Nego e Cidinho dançando e animando a criançada, que se encanta e se impressiona com cada movimento. Ainda no elemento break, alguns alunos são convidados a aprender a dança com o B.boy Graxa e a mostrarem todo o seu talento. A animação às vezes é tanta que até mesmo algumas professoras entram na dança.

 

Outro elemento apresentado é o conhecimento. O bate-papo sobre esse elemento rola junto com as meninas da Frente Feminina de Hip Hop que discutem questões sobre machismo e a importância da mulher na cena e nesse ano contou a presença da Sara Nonato e da Issa Paz do grupo Plus Size. Mandando um Free Style, Issa mostra para as crianças que menina pode cantar rap sim.

 

Relembrando todo seu passado, o Rap é o último elemento a ser apresentado para as crianças e adolescentes. Explicando a origem de seu nome, originário de uma sigla em inglês que significa Ritmo e poesia. “Mas no Brasil a gente fala que o rap é assim: ritmo, amor e poesia”, diz Alisson ao terminar a apresentação e mostrar para as crianças que rap é poesia sim.

 

Tarde de shows marca a abertura oficial da Semana do Hip Hop Bauru 2016

A programação continua na maior Semana do Hip Hop do país. O domingo foi marcado pelo empoderamento da mulher, ativismo e mais uma vez muito hip-hop.

Por Mariana de Moraes e Felipe de Sousa
Fotos: Guilherme Munhoz, Banca Moreira, Mari Soares, Cadu Oliveira

O segundo dia de atividades da Semana do Hip Hop Bauru foi um dos mais aguardados pelo público. A programação começou às 14h no Parque Vitória Régia, com Dj Ding no comando dos toca-discos com clássicos do rap nacional e internacional.

Diretamente de Belo Horizonte, Negra Lud e Neghaun, iniciaram as apresentações que foram marcadas principalmente pela mensagem de superação e resistência. Em entrevista, Neghaun conta que foi uma ótima experiência, “foi muito prazeroso, sair de Belo Horizonte e estar colando aqui em Bauru com vocês e sentir toda essa vibe, sentir que o hip hop permanece vivo e permanece.” Sobre o movimento Hip Hop, o mc minero fala que a sociedade já aceita e deve aceitar mais o movimento, ”O mais importante de tudo que nós, o nosso povo, tem que entender melhor o que a gente planta a varias décadas, a quase 5 décadas, nosso povo tem que entender mais, mas a sociedade está abraçando mais, a sociedade entende o que a gente falava a 20 anos atrás a época que eu comecei, eu acho que estamos no caminho e no progresso”.

Negra lud que também se apresentou afirma que foi uma linda experiência voltar a cantar em Bauru, “Eu acho muito bonito ver o hip hop acontecendendo e é um enorme prazer voltar, eu sinto que estou somando para o que acontece e com o real intuito que o evento tem. (…) O movimento está crescendo cada vez mais, eu acho que a gente ta se apresentando melhor e trazendo conteúdo para as pessoas entenderem o movimento, (…) as pessoas estão começando a receber melhor a proposta do Hip Hop. É interessante isso, as pessoas estão curiosas para saber qual é a desse movimento que está proliferando em todo país, eu diria em todo mundo, tá bonito demais e eu fico muito feliz com tudo isso”.

dsc_0303

As mulheres continuaram trazendo muito empoderamento e presença no evento. Odisseia das flores, o grupo paulistano formado por Jô, Chai e Letícia, chegou a Concha Acústica com rimas repletas de mensagem e força, levando as mulheres da platéia na mesma levada, e a se sentirem representadas.
Quem subiu logo em seguida, diretamente da Cidade Tiradentes, São Paulo, foi o grupo A’s Trinca. Com o trecho “Essa é pra aquele que se identifica, cidade tiradentes zona leste (a’s trinca), três minas no vocal e um Dj no vinil, representatividade das quebradas que emergiu..” da música “Se identifica”, elas mostraram que não estão no jogo pra brincar. Com Músicas sobre representatividade, e denuncia ao machismo, ainda mandaram a letra sobre sua recente presença na televisão, “o hip hop tem que estar em todo lugar!”

dsc_0371

14997133_1302095216527801_1830804166_n
Ao chegar da noite, a presença dos grupos de rap da cidade, Dilema e Origem Rap, empolgou e atraiu mais o público fã do rap do interior. O show contou com participação do Dentão Mc, também artista da cidade, e uma capela do som do grande Mestre Sabotage.

dsc_0158

O grupo RAP PLUS SIZE, formado por Sara Donato e Issa Paz, tomaram o palco e dominaram com rimas que desconstroem o padrão estético e denunciam o machismo, racismo, gordofobia, e buscam o empoderamento da mulher. As minas, que são amigas há tempos e se juntaram recentemente no palco, já estiveram presentes em outras edições da Semana do Hip Hop, mas como grupo esta foi a primeira vez, com músicas como “O pano rasga”, já conhecida do público, fez a galera presente cantar junto e animar ainda mais o role.

14938019_1302095526527770_1446011673_n

Em uma passagem marcante, o grupo de rap Ordem Natural exibiu sua energia no palco, Os MC’s Gato Congelado e Luo cantaram suas músicas cheia de positivismo e empolgação.
ordem
Próximo às 22h, a concha acústica do Parque Vitória Régia, se transformou ,na mais bela celebração cultural. O MC Rapadura com os sons do disco “Fita Embolada do Engenho” se apresentou e representou o norte e o nordeste do país, com influencia de Luiz Gonzaga, Dominguinhos e a mais pura literatura de cordel, o nordestino mostrou os seus sons mais conhecidos como ‘É doce mais não é mole”, “Moça Namoradeira”, “Norte Nordeste me Veste”, tornando a escadaria do parque um verdadeiro baile.

img_5533

A última atração da noite era umas das mais esperadas no cronograma da semana, Thaíde. O Mestre do Hip Hop chegou com seu clássico “Pra cima” numa versão Remix, na companhia do Mister Pumpa Killa e Mc Tifu. O artista com um repertório recheado de clássicos, mostrou todo o seu conhecimento e história no Hip Hop.

 

No decorrer do show, b-boys foram convidados trazendo à Semana do Hip Hop um sentimento da estação São Bento, onde o movimento surgiu e existe até hoje. Thaíde é considerando por sua história no cenário cultural e pelos seus discos considerados verdadeira obras de arte históricas, o MC encerrou o fim de semana de abertura da maior Semana do Hip Hop gratuita da América Latina.
14971431_1302095456527777_1994740709_nthaide

Mais informações sobre a semana do Hip Hop Bauru, acesse a página no Facebook, Semana do Hip Hop Bauru

Comemoração de aniversário da Casa do Hip Hop de Bauru

Um fim de semana para entrar para história! Festa de comemoração de um ano de vida da Casa do Hip Hop de Bauru esteve repleta de breaking, grafite, rap, discotecagens, e muita cultura.

Por Felipe Sousa
Fotos: Lucas Rodrigues, Cadu Oliveira, Bianca Moreira, Bibiana Garrido, Guilherme Munhoz, Lucas Mendes, Mari Soares, Thamires Motta, Thaiane Cuba

O evento teve início na noite de sexta-feira, dia 16, e já começou marcado pela presença e participação contagiante dos amantes da cultura durante as apresentações dos alunos de Free step, Krump, Samba Rock, Kizomba e Street Dance, oficinas ministradas semanalmente na Casa do Hip Hop de Bauru. A noite também contou com improviso de rimas de Mc’s locais que com os seus versos pesados e de mensagem, empolgaram e causaram reflexão em todos os presentes.

 

O Segundo dia começou com batalha de breaking, comandada pelo Dj major, tocando clássicos do hip-hop conhecidos do público e principalmente dos B-boys e B-girls da região em disputa. Foram duas modalidades, individual e all X all, onde os b.boys Tiziu e Evert se destacaram e se consagraram vencedores do dia. Ainda em tempo, Dj Major mandou alguns sons para dança livre, o que inundou o saguão da Estação Ferroviária de dançarinos mostrando o talento por pura diversão.
Mais tarde, as apresentações das alunas de dança do ventre, e Capoeira de Angola tomaram o saguão com exibições incríveis. O sábado, que era realmente pra ninguém ficar parado, encerrou com os dj’s Mohámed, Baya e Ding fazendo a festa nos toca-discos, com clássicos e atuais da música.

img_8349

image
Com uma programação toda dedicada ao rap, o domingo era talvez o dia mais aguardado. As atrações começaram às 15 horas com shows de artistas locais reconhecidos, grupo Renegado Mcs, Dilema Rap, MentBlindada, Dentão Da Rima, e Betin Mc. 
Cada show teve seu diferencial marcante, como o show do Renegados Mcs que levou vários outros mcs e amigos ao palco para cantar, e Betin mc que, ao lado de seu irmão Moonh Beats, apresentou músicas novas e convidou o Mc bauruense Thiago Negão, na participação da música “Enquanto uns riem outros choram”.

O intervalo dos shows eram muito bem aproveitados com a discotecagem do Dj Ding. Sabotage, SNJ, Karol de Souza, Marechal, Racionais Mcs e muitas outras consagradas do Rap Nacional manteve todos no clima do dia.

Com o chegar da noite o público aumentava para o grande show de encerramento, que ficou por conta do Síntese e Família Matrero.
Numa vibração intensa entre público e mcs do começo ao fim, o show teve músicas já conhecidas como “Se escute”, e “Autoafirmação”, e intervenções novas. Em certo momento Neto declarou “Hip Hop é os 4 elementos juntos, o que me fez fazer rap foi ver os elementos unidos desde pequeno” referindo-se aos elementos dj, breaking, rap e grafite, e então convocou uma roda de breaking da Família Matrero no palco, e levou a galera presente à loucura!
O grupo,de São José dos Campos, interior de São Paulo, ressaltou a importância do trabalho feito na Casa do Hip Hop de Bauru em uma cidade do interior, e fechou a noite com uma salva de palmas à Casa e desejando muitos anos de vida.
img_1359


Foram 3 dias de comemoração intensa, e muito trabalho em equipe. A Casa do Hip Hop de Bauru agradece a todos que participaram dessa construção e celebração, e seguimos firme no propósito. Viva a Casa do Hip Hop de Bauru!

Confira um pouco mais do evento e fique ligado em nossa página no Facebook Casa do Hip Hop de Bauru

Da São Bento a Rui Barbosa: o Hip Hop nos trilhos de Bauru

Workshop "Nos Tempos da São Bento"
Workshop “Nos Tempos da São Bento”

Dança e história são temas de workshop no dia mundial do Hip Hop

Por Ana Carolina Moraes
Fotos: Conrado Dacax e Fernando Martins

Memória, arte e cultura se cruzaram na Estação na quinta-feira, 12 de novembro, mas não por acaso. A V Semana do Hip Hop de Bauru trouxe o b.boy da Back Spin Crew e um dos percussores do movimento no Estado de São Paulo, Marcelinho, para debater sobre a história do Hip Hop. O workshop, que inicialmente seria realizado no SESC, foi realocado para a Casa do Hip Hop, acontecendo simultaneamente às demais atividades previstas para noite.

Durante o workshop, Marcelinho pontuou a fragmentação do movimento em quatro elementos como um desafio do atual momento do Hip Hop no Brasil. Quando indagado sobre o motivo para tal entendimento, o b.boy explicou que a divisão em elementos enfraqueceu o pensamento do que é Hip Hop enquanto movimento. “A gente se perdeu no sentimento. Agora tudo é profissional, ‘se aquele cara não está na mídia, por que eu vou chamá-lo para vir aqui?’ Para mim, estar na mídia ou não é a mesma coisa. O hip hop não precisa estar na mídia, o que a gente precisa é estar juntos”, comenta.

“O Hip Hop não precisa estar na mídia, o que a gente precisa é estar juntos”

Assim também é a percepção do coordenador do Ponto Cultura Acesso Hip Hop, Renato Magu, sobre o movimento hoje. “Como as coisas se facilitaram, hoje a gente se divide em elementos, deixando de lado o sentimento do movimento Hip Hop”, comenta. Dessa forma, trazer o Marcelinho pra cá “é  beber da fonte”, segundo Magu, permitindo que mais pessoas tenham o conhecimento do que é o Hip Hop enquanto movimento de resistência. “Essa galera foi a que começou toda história aqui no Brasil, então quando a gente traz os novos, a gente também tem que trazer os velhos [para a Semana]”, conclui.

12255255_1073027879409023_523274899_o
Ouvintes do workshop “Nos tempos da São Bento”

“É importante saber do passado para entender o presente. E a Semana do Hip Hop, para mim, é uma resistência dentro da cultura”, ressalta Marcelinho. O workshop reuniu mais de 30 pessoas para conversar sobre Hip Hop o movimento “nos tempos da São Bento” por quase duas horas. Apesar do imprevisto, o b.boy se sentiu contemplado pela receptividade do público, afinal, o “Hip Hop é uma cultura que se passa muito pela oralidade, nada substitui o contato humano”.

Marco Zero. O local que hoje abriga a Casa do Hip Hop de Bauru foi considerado o marco zero da cultura Hip Hop da cidade, pois, como apresentado por Magu, “ao mesmo tempo que as coisas estavam esfervecendo lá [na São Bento], aqui também estava assim. A galera pegava o trem para ir lá e beber da fonte. Acho que é por isso que a gente tem um movimento tão forte: porque ele passa por várias gerações, por várias pessoas”.

“A gente se perde é quando se esquece da nossa memória, da nossa ancestralidade, esquece quem foram os verdadeiros arquitetos da nossa cultura”

Mesmo com as diferenças temporal e espacial, o coordenador aponta as questões da militância e crença num sonho como semelhanças entre o movimento de Bauru e de São Paulo. O desafio é mesmo resgatar a essência da cultura para manter o Hip Hop forte. “A gente se perde é quando a gente esquece da nossa memória, da nossa ancestralidade, esquece quem foram os verdadeiros arquitetos da nossa cultura”, comenta.  

12248306_1073027799409031_1162948635_o
Marcelinho Back Spin

Conciliar a história do movimento na São Paulo e em Bauru é um meio de fortalecer o Hip Hop como um todo. Marcelinho explica que falar da São Bento “é a [falar da] história da minha vida. Então, essa história da memória, da dança, do hip hop em São Paulo, tá começando a se fortalecer, porque tem outros irmãos que também estão correndo junto”.

Sobre o espaço ocupado pela Casa do Hip Hop de Bauru, Marcelinho diz estar muito contente com lugar que encontrou. “Aqui é um espaço totalmente diferente, que tem uma possibilidade incrível de fazer coisas, um lugar extremamente poético”, explica. O b.boy ainda afirmou que esta é a casa “mais linda que vai existir”. “A casa ainda tá em construção porque o espaço tem muito potencial para ser explorado, não só pelo movimento Hip Hop, mas com por toda cultura popular. E essa construção se faz nas conversas, nas ações, nas reflexões. Afinal você nunca tem a arte acabada, ela tá sempre em processo”, comenta.

Combo 5 Elementos encerra a semana de ensinamentos no Legião Mirim

_MG_4842

O grupo de jovens do Combo 5 Elementos percorreu diversos locais diferentes, espalhando a cultura hip-hop a centenas de jovens bauruenses

Por Fernando Martins
Fotos: Allison Ferreira e Mariana Lacava

Por volta das 14 horas de uma sexta-feira, 13 de novembro, partia da Casa do Hip Hop de Bauru, a Van mais barulhenta da cidade, rumo ao centro de educação Legião Mirim. Os compartilhadores da cultura, Vinicius Thomas, Allisson Ferreira, Luana Nayhara, Sara Donato, Beatriz Benedito e David Wise ocupavam os bancos surrados da perua branca do prefs Agostinho.

No caminho até a escola, as lembranças da Semana contagiavam a todos, especialmente ao recordar as melhores sacadas e piores brechas da Batalha de MC’s, último evento do dia anterior, quando comemorou-se o Dia Mundial da Cultura Hip Hop e onde David Wise sagrou-se campeão da “Batalha da Panelinha”.

Ao chegar no local, cerca de 50 jovens, todos do sexo masculino, com idade entre 14 e 17 anos, que são preparados para o primeiro emprego, aguardavam o grupo, que trazia na bagagem muita música, dança, diversão e conhecimento para trocar com a molecada.
Após as caixas de som darem seus primeiros zunidos, o Mestre de Cerimônias Vinicius Thomas, de apenas 18 anos, pegou o microfone, comandou o show e arrastou os possíveis projetos de rappers, breakers, grafiteiros ou djs para dentro do universo Hip Hop.

Vinicius Thomas
Vinicius Thomas

Suas primeiras palavras levaram os adolescentes ao contexto da década de 60, quando a tensão racial nos EUA chegou ao ápice. O país vivia intensa segregação entre brancos e negros, sendo os afroamericanos perseguidos pela Ku Klux Klan e até mesmo sem acesso a direitos básicos. O enfrentamento ao racismo americano tinha como referências Martin Luther King, Malcolm X, Angela Davis e o partido dos Panteras Negras. Foi em meio a esse caótico cenário que o original funk, o R&B e o Sound System se misturaram, junto a outros elementos, para dar origem aos primeiros rascunhos do que viria a ser o movimento Hip Hop – explicado de maneira bem simplista diante toda a complexidade dessa rica e criativa cultura.

Após a aula de história, os cinco elementos foram apresentados, trazendo um pouco de cada uma dessas vertentes que compõem a cultura Hip Hop. O primeiro deles foi o graffitti, que busca trazer para o visual alguns dos conceitos do gênero. Exemplificado por Allisson Beats, a função do DJ também foi apresentada aos olhos vidrados dos manos presentes. Já pra falar do breaking, David Wise assumiu a responsa e relembrou a origem da dança, como uma alternativa às violentas disputas de espaço e pontos de comércio entre gangues rivais nova iorquinas e que passaram a competir com passinhos cabulosos e muito estilo.

David MC
David Wise

O quarto elemento, na sua função, Vinícius falou do papel do MC, o mestre de cerimônias, ou ainda, do rap em si. Que vai da função de animar a galera ao levantamento a questões sociais, como drogas, guerras e o próprio racismo, entre outros temas polêmicos. Por fim, o elemento que permeia e costura todos os anteriores: o conhecimento, único componente abordado do primeiro ao último minuto de Combo.

Para o estudante Marcos Vinicius de Almeida, de 15 anos, o contato com uma cultura diferente é muito importante para entender outras realidades: “Conhecer algo novo, algo que está próximo, mas muitas vezes está longe também, é muito bom, ainda mais como o hip-hop, que traz essa ideia de manifestação cultural, tratando questões como a violência através da dança, da música, do graffitti e do conhecimento desses povos”.

A primeira interação com os jovens veio quando a pergunta foi lançada: “Vocês conhecem alguma poesia?”, indagou Vinicius Thomas. A maioria balançou a cabeça negativamente. Mas após a declamação dos primeiros versos da música Jesus Chorou, do grupo Racionais MCs, todos mudaram a direção do balancear, e de cima a baixo, acompanhavam a letra decorada de uma das poesias escritas por Mano Brown.
Mas não só de homens é composto o movimento, e pra falar sobre a questão de gênero, Beatriz, representando o graffiti, Luana Nayhara, da Frente Feminina de Hip Hop de Bauru, e a MC Sara Donato. Questões como a popular “cantada de rua”, a falta de protagonistas femininas, a diferença entre salários, a violência doméstica e outras formas de opressão foram temas apresentados pelas poderosas professoras.

_MG_4803
Sara Donato
_MG_4805
Luana Nayhara e Beatriz Benedito

Pra pesar na mente da galera, Sara Donato deu início a sequência de letras e poesias declamadas com o som autoral “Pesou na Mente”, que prega o respeito ao corpo feminino e a quebra dos padrões de beleza vigentes na sociedade. Na sequência, letras próprias dos integrantes do combo se misturaram a outras já consagradas de monstros da cultura  como Renan Inquérito, Sérgio Vaz e Sabotage, em um mini-sarau.

Mas em meio a tantas feras, o destaque ficou mesmo com Ronaldo Soares, um dos instrutores de curso do centro educacional. Apontado como um apreciador de poesias, Ronaldo apostou no freestyle e criou uma letra ali mesmo, onde pregava igualdade entre os povos.

Após mais de duas horas de trocas intensas de ideias, o convite de visita a Casa do Hip Hop foi feito a todos, especialmente para conhecerem as variadas oficinas oferecidas pela Casa, envolvendo não só os principais elementos apresentados ali, mas também outros como artes marciais e o cursinho pré-vestibular

A tarde se encerrou e a van mais barulhenta da cidade foi novamente ocupada, mas antes de partir, Vinicius Thomas, como um dos idealizadores do projeto, pediu a palavra e agradeceu a todos os envolvidos em mais uma edição do Combo, em mais uma histórica Semana de Hip Hop de Bauru.

Combo dos 5 elementos agita Moraes Pacheco, no Bela Vista

IMG_2528Atividade levou a cultura Hip Hip e debates para alunos do ensino médio no Bela Vista

Por Thamires Motta e Lucas Zanetti
Fotos: Mariana Lacava e Thamires Motta

Hoje foi dia de Hip Hop na E.E. Moraes Pacheco. Cerca de 420 alunos participaram do Combo dos 5 Elementos, projeto realizado pela V Semana Municipal do Hip Hop. O objetivo da atividade é levar os elementos do Hip Hop para as escolas, trabalhando de forma teórica e prática, com mini oficinas. Cada elemento é explicado e debatido e depois os alunos são convidados a experimentarem cada um deles da prática.

”A gente tenta interagir com os alunos e fazer eles participarem também dos elementos. No breaking, fazendo passos. No RAP, mandando uma rima”, explica Vinicius Thomas, 18, um dos organizadores do projeto.

Participaram do evento, o grupo AlémDaRima, a rapper Sara Donato, o cantor JotaF, os grafiteiros Zion Jorge, Beatriz Benedito e o coletivo CURA, Magum MC, B-boy David MC, Allisson Ferreira de DJ.

IMG_2462

IMG_2502

Vinicius acredita que a importância do evento se dá principalmente por despertar no jovem, por meio da cultura Hip Hop, o senso crítico. ”O Hip Hop tem um caráter muito transformador. Ele mostra pra juventude que tem uma alternativa, que eles podem escolher outras coisas, que eles podem desenvolver artes. Eles aprendem a contestar, a debater, a se impor na sociedade, com outra postura”, explica.

Sara Donato também acredita no potencial transformador do Hip Hop e que, além de levar a cultura, o Combo é uma oportunidade de promover debates críticos com os jovens sobre o combate ao machismo e à violência doméstica. Na atividade de hoje, a rapper falou sobre gênero. ”O Hip Hop vai além de palco, som e dança. É uma ferramenta de transformação e a gente vê isso trazendo para a escola, conversando com a molecada”, opina Sara.

IMG_2482

Com alta interação com o público, logo os alunos foram perdendo a vergonha e curtiram muito o evento. Puderam se arriscar em qualquer elemento e, quem sabe, descobrir um talento a ser trabalhado e uma identificação maior com o universo Hip Hop. Destaque para as minas, que representaram muito no breaking. Uma delas, mandou um poema feminista.

O aluno Felipe Pereira, do 2º ano, também mandou um poema. ”Se a vida fosse bela, todo mar teria ondas, todo som seria rap e todo mar faria nossa cabeça”, recitou. Ele acredita que o evento é muito positivo e acredita que o rap manda a real sobre as coisas. ”É sempre bom passar uma visão para a galera do que está acontecendo e ninguém está vendo. Eu acho esse tipo de evento muito daora”, conta o estudante.

A coordenadora da Moraes Pacheco, Karina Martins, elogiou a iniciativa. Para ela, trazer o movimento para dentro da escola, é uma forma de aproximar a escola da realidade dos próprios estudantes. ”A gente consegue envolver eles no projeto e fazer com que eles tenham mais iniciativa até mesmo na sala de aula”, explica. ”O Combo está sempre valorizando atitudes positivas e isso tem muito a ver com aprendizagem e a formação do cidadão”, completa.

A V Semana do Hip Hop já está chegando!

Com oficinas e debates, a Semana Municipal do Hip Hop de Bauru chega à sua quinta edição com grandes shows e mostra audiovisual

2015 é o ano do Hip Hop e em Bauru, movimento se consagra como um dos maiores articuladores políticos, culturais e sociais da cidade. Entre os dias 6 e 15 de novembro, acontecerá mas uma edição da Semana Municipal do Hip Hop de Bauru.

Depois de mais de 20 anos de luta, em agosto inauguramos a Casa do Hip Hop de Bauru e para celebrar mais esta conquista, a V Semana Municipal traz shows de artistas regionais e de renome nacional como Rapadura MC, Inquérito, Thaíde e Emicida. No palco Interior tem voz, contaremos com a participação especial de Crônica Mendes e convidados. Em parceria com o SESC, haverá também o show inédito de Tásia Reis, na quarta-feira 11 de novembro, representando a força e o poder das mulheres na cultura Hip Hop.

Há dois anos, a Semana Municipal de Hip Hop de Bauru se tornou política pública por meio de mobilização social pela criação e aprovação da Lei 6258/2013. Dessa maneira, a Secretaria de Cultura se tornou uma parceira para a realização da III Semana Municipal do Hip Hop naquele ano e de lá para cá, a parceria e as atividades conjuntas só tem aumentado.

todos
Semana 2015 traz Inquérito, Thaíde, Crônica Mendes, Rapadura, Tássia Reis, DJ Erick Jay e Banks Back Spin

Formação, política e economia. Desde 2011, a Semana Municipal do Hip Hop de Bauru é organizada pelo Ponto de Cultura Acesso Hip Hop de maneira independente, horizontal e repleta de parcerias. Uma das atividades consagradas do festival é a realização do Combo 5 Elementos nas escolas municipais e estaduais da cidade durante a Semana do Hip Hop. O projeto leva conhecimento e mini-oficinas dos cinco elementos do Hip Hop (graffiti, breaking, DJ, Rap e conhecimento) para escolas municipais e estaduais, incluindo centros de reabilitação. O projeto  também conta com a participação da Frente Feminina de Hip Hop de Bauru que levanta questões de gênero para estudantes das escolas, chamando atenção para igualdade de gênero e para a violência doméstica como um problema social e coletivo.

Além disso, o festival também traz importantes debates sobre o movimento Hip Hop regional e sobre os movimentos negro e periférico. Em 2015, acontecerá a I Feira de Economia Solidária de Produtos do redeHip Hop  do Estado de São Paulo, durante os últimos dois dias da Semana. Ao longo do sábado, 14 de novembro, também acontecerá um debate sobre Economia Solidária com representantes da Rede Nacional das Casa da Cultura Hip Hop e Empreendimentos Solidários, professores universitários e pequenos empreendedores.

Neste ano, a Casa do Hip Hop de Bauru também tem uma novidade muito especial, ainda vinculada à economia solidária e à sustentabilidade do meio ambiente e dos modos de produção. No dia 07 de novembro acontecerá o lançamento da coleção oficial de roupas da instituição, na Estação ferroviária. Com estampas originais e desenvolvidas especialmente para o público bauruense, o desfile de moda “Favela Fashion Zic” privilegia os elementos da cultura e ícones de resistência.

Outro momento importante é a realização do II Fórum Municipal de Hip Hop de Bauru, que acontecerá no SESC, também no dia 7, para o levantamento de demandas, análises de conjuntura do movimento local e balanço de conquistas no último ano. Também serão exibidos documentários e filmes como Profissão MC, Dogtown e O Rap pelo Rap, nos bairros Mary Dota, Bauru 22 e na Casa do Hip Hop.

Programação. A Semana Municipal do Hip Hop de Bauru vai acontecer de 6 a 15 de novembro, com TODAS as atividades gratuitas na Estação Ferroviária, Casa do Hip Hop de Bauru, Sesc Bauru e parque Vitória Régia.

Dia 6/11 – Sexta-feira

Abertura da Exposição “Quem é quem?” do Coletivo Urbano de Arte- CURA de São Paulo.
Horário: 19h. 
Local: Estação Ferroviária de Bauru.

Cine Hip Hop
Filme: Os Reis de Dogtown (história do skate nos EUA)
Horário: 20h Local: Centro Unificado das Artes e do Esporte – Rua Maria José Silvério dos Santos com Avenida Lúcio Luciano, Bauru 22/ região do Jardim Redentor

Show Além da Rima e Banda.
Horário: 21h. 
Local: Estação Ferroviária de Bauru.

Dia 7/11 – Sábado

Encontro Estadual de Graffiti
Horário: 9h. Local: Viaduto Nuno de Assis

Cortejo Hip Hop
Horário: 10h. Local: Calçadão da Batista de Carvalho.

II Fórum Municipal de Hip Hop de Bauru
Horário: 14h. Local: Sesc Bauru (Av. Aureliano Cárdia 6-71)

Desfile de moda urbana “Favela Fashion Zic”. Lançamento da coleção de moda Casa da Cultura Hip Hop de Bauru. DJ Moonhbeats
Horário: 20h. Local: Estação Ferroviária de Bauru 

Dia 8/11 – Domingo

Abertura Cultural da Semana do Hip Hop 2015

Shows com Inquérito, Rapadura, Thaide, Issa Paz e Brisa Flow
Horário: 14h. Local: Parque Vitória Régia

Dia 9/11 – Segunda-feira
Combo dos 5 Elementos
Horário: 9h. Local: Escola Estadual Morais Pacheco. (R. Primeiro de Maio, 16-10. Parque Boa Vista)

Combo dos 5 Elementos
Horário: 14h. Local: Escola Estadual Morais Pacheco. (R. Primeiro de Maio, 16-10 – Parque Boa Vista)

Oficina de Fanzine
Horário: 14h
Local: Casa do Hip Hop Bauru

Mesa redonda com o tema “Redução da maioridade penal e genocídio da população preta, pobre e periférica”
Horário: 20h. Local: Centro Cultural de Bauru

Dia 10/11 РTer̤a-feira
Combo dos 5 Elementos
Horário: 9h. Local: Sorri Bauru. (Avenida Nações Unidas, 53-40 – Geisel)

Combo dos 5 Elementos
Horário: 14h. Local: Sorri Bauru. (Avenida Nações Unidas, 53-40 – Geisel)

Oficina de Fotografia
Horário: 19h. Local: Casa do Hip Hop Bauru

Oficina de Capoeira Angola
Horário: 19h30. Local: Casa do Hip Hop Bauru

Oficina de MC com JotaF e RapNobre
Horário: 19h30. Local: Casa do Hip Hop Bauru

Cine Hip Hop
Documentário O Rap pelo Rap
Horário: 20h. Local: Casa do Hip Hop

Dia 11/11 – Quarta-feira
Combo dos 5 Elementos
Horário: 9h. Local: Escola Estadual Ver. Antônio Ferreira de Menezes. R. Cap. Mario Rossi, 9-37

Oficina de Graffiti
Horário: 9h. Local: Casa do Hip Hop Bauru

Combo dos 5 Elementos
Horário: 14h. Local: Escola Municipal

Oficina de Dj com DJ Ding
Horário: 14h. Local: Casa do Hip Hop Bauru

Bate Papo: Produção Independente e mulheres no Hip Hop com Tássia Reis e Frente Feminina de Hip Hop de Bauru
Horário: 19h. Local: Sesc Bauru

12115614_185735578430356_237330865507897265_nShow com Tássia Reis
Horário: 21h. Local: Sesc Bauru

Dia 12/11- Quinta-feira
Combo dos 5 Elementos
Horário: 9h. Local: Escola Profª Ada Cariani Avalone.  Av. Dr. Marcos de Paula Rafael, 1. Mary Dota.

Combo dos 5 Elementos
Horário: 14h. Local: CIPS Bauru. R. Inconfidência, 2-28 – Centro

Oficina de DJ com DJ Scratch
Horário: 14h. Local: Casa do Hip Hop Bauru

Oficina de Stencil
Horário: 14h. Local: Casa do Hip Hop Bauru

Celebração do Dia Mundial do Hip Hop. Apresentação dos 4 elementos que compõe a Cultura Hip Hop, Rap, Breaking, Graffiti, Dj + Batalha de Mcs.
Horário: 20h. Local: Casa do Hip Hop de Bauru

Dia 13/11 – Sexta-feira
Combo dos 5 Elementos
Horário: 9h. Local: Escola Municipal Geraldo Arone.  R. João Prudente Sobrinho – Nucleo Hab. Fortunato Rocha Lima, Bauru – SP

Oficina de Graffiti
Horário: 9h. Local: Casa do Hip Hop de Bauru

Combo dos 5 Elementos
Horário: 14h. Local: 13/11- 14h30 – Legião Mirim Endereço: Av. Dr Nuno Assis, 13-50

Sarau do Viaduto especial Semana do Hip Hop com Banks Back Spin
Horário: 20h. Local: Avenida Nações Unidas, embaixo do viaduto da Duque de Caxias

Dia 14/11 – Sábado

Cortejo Hip Hop
Horário: 10h. Local: Calçadão da Batista de Carvalho

Batalha de Breaking
Horário: 13h. Local: Casa do Hip Hop Bauru

I Feira de Economia Solidária de produtos do Hip Hop do Estado de São Paulo.
Horário: 14h-22h. Local: Parque Vitória Régia

Palco Interior tem voz
Shows com Crônica Mendes, CURA, Preta Rara e outros.
Horário: 17h
Local: Anfiteatro Vitória Régia

Dia 15/11 – Domingo

I Feira de Economia Solidária de produtos do Hip Hop do Estado de São Paulo.
Horário: 14h-22h. Local: Parque Vitória Régia

Encerramento da Semana Municipal do Hip Hop 2015
Shows com Emicida + Grupos de Bauru.
Horário: 14h. Local: Parque Vitória Régia

Realização.  A V Semana Municipal do Hip Hop de Bauru é realizada em parceria entre Ponto de Cultura Acesso Hip Hop, Casa do Hip Hop de Bauru, Secretaria Municipal de Cultura, patrocínio Loja Ophicina e promoção da TV TEM.

II Semana Municipal do Hip Hop: Shows, debates, cinema e formação

Semana Municipal do Hip Hop de Bauru chega à segunda edição com mais força e atividades de formação

*publicado em JCNet

As atividades da II Semana Municipal de Hip Hop, promovida pela Secretaria Municipal de Cultura em parceria com o “Ponto de Cultura Acesso Hip Hop” e a Somos1 Produções Coletivas, prosseguem neste feriado prolongado.

As atividades da Semana acontecem até domingo, 18 de novembro, com sarau, oficinas, shows e exibição de filme. O objetivo é apresentar a cultura Hip Hop sem discriminar as demais manifestações culturais, buscando o respeito pela diversidade cultural, além de dar oportunidade a jovens e adolescentes da periferia da cidade para apresentarem seus trabalhos em diferentes espaços.

Durante a Semana serão realizadas oficinas, debates, palestras saraus e shows, visando divulgar o Hip Hop como instrumento de integração social de crianças, jovens e adultos com a cultura popular periférica.

A Semana conta com apoio do Wise Madness, Unesp Fm, Enxame Coletivo, Fora do Eixo, e-colab e Jornal da Cidade. Abaixo a Programação completa do evento:

Programação

Shows 15/11

15h – Projeto Ensaio. Local: Bosque do Geisel (Bronx)

*Shows com Los Trinca (Marilia), Bandidos em Harmonia, Betim Mc,

Ment Blindada, Coruja BC1, Dom Black, Thigor Mc

17/11

13h РSegundo Sarau de arte urbana. Local: Pra̤a Rui Barbosa

*Exposições e recital de poesia, performances teatrais, Performance de malabares, Performance de dança, Performance de Djs.

* Pocket show com, Além da Rima, JF e RapNobre Mc, D’Bronx Mc, Thigor Mc e Fabrica da Rima

18/11

15h – Encerramento com apresentações artísticas, Rima de Roda e show com Rael da Rima. Local: Pq. Vitória Régia

* Apresentação de Djs e B.Boys, e exposição de poesias

* Pocket Show com, Ment Blindada, Coruja BC1, Além da Rima, Problema Crew (Marilia), May Mc (Júlio Mesquita), D’Bronx, RapNobre Mc.

*Show com Rael da Rima

Roda de Conversa

18/11

17h – Roda de conversa com Rael da Rima sobre Gestão de Carreira Independente, Local: Pq. Vitória Régia

Cinema

16/11

20h – Cinoia – Filme “Bixo de Sete Cabeças” + Bro Mc’s. Local: embaixo do Viaduto 13 de maio

17/11

19h30 – CINEXTINÇÃO Especial na Semana do Hip-Hop com exibição do filme “Wild Style” (“Estilo Selvagem!”), legendado, de 1983, primeiro longa metragem sobre o Hip-Hop. No Empório Contracultural Extinção, Rua Cussy Júnior, 8-17 (Centro), com 15 Lugares.

Graffiti

15/11

9h – Grafitagem. Local: Biblioteca Ramal do Núcleo Geisel, Rua Alziro Zarur, 5-8

Oficinas

16/11

14h às 18h – Oficina “Radio, a Linguagem como Ferramenta” com João Lima. Local Sede do Enxame Coletivo, Rua Agenor Meira 12-39 Centro.

16/11

19h30 – Oficina de Street Dance e bate papo sobre o Hip Hop  no Galpão Wise Madness, na Rua Braz Lemos de Almeida 2-45, Vila Aviação B

16/11

16h – Oficina de Beatmaker. Local: Ponto de Cultura Acesso Hip Hop na Rua Maria José, 5-66, Jd. Altinópolis

Breaking

15/11

15h – Apresentação e roda de Breaking, Local: “Projeto Ensaio” no Bosque do Geisel (Bronx)

17/11

13h РApresenta̤̣o do grupo Bauru Breakers Crew e roda de aberta no Sarau de Arte Urbana. Local: Pra̤a Rui Barbosa

 

*publicado originalmente em 15/11/2012

I Semana do Hip Hop de Bauru: Hip-hop art

A partir de hoje, Bauru terá sua primeira Semana Municipal do Hip Hop com atividades em diversos bairros

por Bruna Dias, para JC Net*

Está oficialmente aberta a primeira Semana Municipal de Hip Hop de Bauru. Muitos acham que a arte do hip-hop engloba somente a música. Entretanto, esta modalidade cultural está ligada à vivência e à criatividade de cada um, seja com expressões corporais, grafites e outras manifestações regidas ao som característico, que surgiu nas periferias. Por isso, o organizador do evento, Renato Magu, 30 anos, acrescentou à programação palestras, oficinas, filmes e shows.

A ideia de fazer uma semana especial de Hip Hop em Bauru surgiu no início deste ano, quando o Instituto Acesso Popular, uma Organização Não-Governamental (ONG), tornou-se também um dos pontos de cultura da cidade.

Graffiti realizado por Eazy em comemoração à I Semana Municipal do Hip Hop

“Nós não queríamos somente oferecer oficinas e sim fomentar essas artes. Aqui, crianças, adolescentes e jovens aprendem a fazer grafite com material doado, temos um estúdio para eles aprenderem a fazer rap”, contou Magu, que também é coordenador do instituto, localizado no Jardim Altinópolis, em Bauru.

Como a ONG está localizada mais distante da periferia, o objetivo da entidade é aproximar os bairros mais carentes, que são ricos em arte e cultura. “A periferia tem muita cultura. O que queremos é agregar artistas de toda a cidade. Fizemos um evento com diversas atividades”.

Programação. A abertura da Semana Municipal de Hip-Hop de Bauru será hoje às 9h, no auditório da Secretaria Municipal de Cultura com as palestras de Jorge Soriano Moura, membro da Comissão de Direitos Humanos da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil-Bauru (OAB-Bauru); Sílvio Durante, professor de história, e Renato Moreira, do Instituto Acesso Popular.

Amanhã, mesmo sendo feriado, as atividades continuam no Centro Comunitário do Jardim Ouro Verde desde às 9h com oficinas de break, com o b.boy Maior e oficina de stencil e graffite para crianças, com Sérgio Oliveira.

Os participantes também poderão conferir, no Cine Ouro Verde, o filme “Profissão MC”, que traz a história de um rapper da periferia que recebe duas propostas: uma para entrar no tráfico de drogas e outra para seguir apostando no rap.

O encerramento da Semana Municipal de Hip Hop de Bauru será no domingo a partir das 14h, no Parque Vitória Régia com shows de Contexto Oeste, Bandidos em Harmonia e Pelther LB com SNJ Somos Nós & Justiça.

Serviço. A Semana Municipal de Hip Hop de Bauru acontece de hoje ao dia 6, e é uma parceria com a Oficina Cultural “Glauco Pinto de Moraes” e Secretaria de Estado da Cultura, além do apoio da Secretaria Municipal de Cultura de Bauru.

O Centro Comunitário do Jardim Ouro Verde fica na quadra 1 da rua Gabriel Morales; o Cras do Jardim Ferraz na rua Bolívia, 6-63; o Cras Nova Bauru na rua Laurindo Palaro, 1-75 e a Oficina Cultural “Glauco Pinto de Moraes” na rua Amazonas, 1-41, Vla Coralina.

Programação
Terça-feira – 1/11

Abertura da Semana Municipal de Hip Hop com palestra sobre o Movimento Hip  Hop e a Questão Racial e de Direitos Humanos. Palestrantes: Jorge Soriano Moura (Comissão de Direitos Humanos da OAB), Sílvio Durante (Professor de história), Renato Moreira (Instituto Acesso Popular).

Local: Auditório da Secretaria Municipal de Cultura

Horário: a partir das 9hs.

Quarta-feira – 2/11

Oficina de break (com b.boy Maior)

Oficina de stencil e graffiti para crianças (com Sérgio Oliveira)

Cine Ouro Verde – Filme “Profissão MC”

Apresentações de rap com Dom Black e convidados

Local: Centro Comunitário do Jardim Ouro Verde

Horário: a partir das 9h

Quinta-feira – 3/11

Exibição do filme “Profissão MC”

Apresentação da oficina de grafiti e break.

Local: CRAS Jardim Ferraz

Horário: 14h

Sexta-feira – 4/11

Exibição de documentário “Nos Tempos da São Bento”

Apresentação/oficina de Graffiti e Break e Rap

Local: Cras Nova Bauru

Horário: 14h

Sábado – 5/11

Oficinas de rap e break

Exibição de documentário “Nos Tempos da São Bento”

Bate papo sobre a atual conjuntura do movimento cultural Hip Hop.

Com Renato Moreira – Instituto Acesso Popular.

Local: Oficina Cultural “Glauco Pinto de Moraes”

Horário: 14h
Noite: Vozes da Periferia com Dom Black (Bauru) + Slim Rimografia (SP) + discotecagem João Lima

23h30 – R$ 7 (lista amiga) – R$ 12

Domingo – 6/11

Encerramento da Semana Municipal de Hip-Hop com shows de rap, apresentações de break, grafiti e DJs.

Local: Parque Vitória Régia

Horário: 14h

Shows de: Contexto Oeste, Bandidos em Harmonia, Pelther LB (Jaú) + SNJ Somos Nós & Justiça

* publicado originalmente em 01/11/2011