Tarde de shows marca a abertura oficial da Semana do Hip Hop Bauru 2016

A programação continua na maior Semana do Hip Hop do país. O domingo foi marcado pelo empoderamento da mulher, ativismo e mais uma vez muito hip-hop.

Por Mariana de Moraes e Felipe de Sousa
Fotos: Guilherme Munhoz, Banca Moreira, Mari Soares, Cadu Oliveira

O segundo dia de atividades da Semana do Hip Hop Bauru foi um dos mais aguardados pelo público. A programação começou às 14h no Parque Vitória Régia, com Dj Ding no comando dos toca-discos com clássicos do rap nacional e internacional.

Diretamente de Belo Horizonte, Negra Lud e Neghaun, iniciaram as apresentações que foram marcadas principalmente pela mensagem de superação e resistência. Em entrevista, Neghaun conta que foi uma ótima experiência, “foi muito prazeroso, sair de Belo Horizonte e estar colando aqui em Bauru com vocês e sentir toda essa vibe, sentir que o hip hop permanece vivo e permanece.” Sobre o movimento Hip Hop, o mc minero fala que a sociedade já aceita e deve aceitar mais o movimento, ”O mais importante de tudo que nós, o nosso povo, tem que entender melhor o que a gente planta a varias décadas, a quase 5 décadas, nosso povo tem que entender mais, mas a sociedade está abraçando mais, a sociedade entende o que a gente falava a 20 anos atrás a época que eu comecei, eu acho que estamos no caminho e no progresso”.

Negra lud que também se apresentou afirma que foi uma linda experiência voltar a cantar em Bauru, “Eu acho muito bonito ver o hip hop acontecendendo e é um enorme prazer voltar, eu sinto que estou somando para o que acontece e com o real intuito que o evento tem. (…) O movimento está crescendo cada vez mais, eu acho que a gente ta se apresentando melhor e trazendo conteúdo para as pessoas entenderem o movimento, (…) as pessoas estão começando a receber melhor a proposta do Hip Hop. É interessante isso, as pessoas estão curiosas para saber qual é a desse movimento que está proliferando em todo país, eu diria em todo mundo, tá bonito demais e eu fico muito feliz com tudo isso”.

dsc_0303

As mulheres continuaram trazendo muito empoderamento e presença no evento. Odisseia das flores, o grupo paulistano formado por Jô, Chai e Letícia, chegou a Concha Acústica com rimas repletas de mensagem e força, levando as mulheres da platéia na mesma levada, e a se sentirem representadas.
Quem subiu logo em seguida, diretamente da Cidade Tiradentes, São Paulo, foi o grupo A’s Trinca. Com o trecho “Essa é pra aquele que se identifica, cidade tiradentes zona leste (a’s trinca), três minas no vocal e um Dj no vinil, representatividade das quebradas que emergiu..” da música “Se identifica”, elas mostraram que não estão no jogo pra brincar. Com Músicas sobre representatividade, e denuncia ao machismo, ainda mandaram a letra sobre sua recente presença na televisão, “o hip hop tem que estar em todo lugar!”

dsc_0371

14997133_1302095216527801_1830804166_n
Ao chegar da noite, a presença dos grupos de rap da cidade, Dilema e Origem Rap, empolgou e atraiu mais o público fã do rap do interior. O show contou com participação do Dentão Mc, também artista da cidade, e uma capela do som do grande Mestre Sabotage.

dsc_0158

O grupo RAP PLUS SIZE, formado por Sara Donato e Issa Paz, tomaram o palco e dominaram com rimas que desconstroem o padrão estético e denunciam o machismo, racismo, gordofobia, e buscam o empoderamento da mulher. As minas, que são amigas há tempos e se juntaram recentemente no palco, já estiveram presentes em outras edições da Semana do Hip Hop, mas como grupo esta foi a primeira vez, com músicas como “O pano rasga”, já conhecida do público, fez a galera presente cantar junto e animar ainda mais o role.

14938019_1302095526527770_1446011673_n

Em uma passagem marcante, o grupo de rap Ordem Natural exibiu sua energia no palco, Os MC’s Gato Congelado e Luo cantaram suas músicas cheia de positivismo e empolgação.
ordem
Próximo às 22h, a concha acústica do Parque Vitória Régia, se transformou ,na mais bela celebração cultural. O MC Rapadura com os sons do disco “Fita Embolada do Engenho” se apresentou e representou o norte e o nordeste do país, com influencia de Luiz Gonzaga, Dominguinhos e a mais pura literatura de cordel, o nordestino mostrou os seus sons mais conhecidos como ‘É doce mais não é mole”, “Moça Namoradeira”, “Norte Nordeste me Veste”, tornando a escadaria do parque um verdadeiro baile.

img_5533

A última atração da noite era umas das mais esperadas no cronograma da semana, Thaíde. O Mestre do Hip Hop chegou com seu clássico “Pra cima” numa versão Remix, na companhia do Mister Pumpa Killa e Mc Tifu. O artista com um repertório recheado de clássicos, mostrou todo o seu conhecimento e história no Hip Hop.

 

No decorrer do show, b-boys foram convidados trazendo à Semana do Hip Hop um sentimento da estação São Bento, onde o movimento surgiu e existe até hoje. Thaíde é considerando por sua história no cenário cultural e pelos seus discos considerados verdadeira obras de arte históricas, o MC encerrou o fim de semana de abertura da maior Semana do Hip Hop gratuita da América Latina.
14971431_1302095456527777_1994740709_nthaide

Mais informações sobre a semana do Hip Hop Bauru, acesse a página no Facebook, Semana do Hip Hop Bauru

Pesando na ideia: AlemdaRima tocando em casa e tirando onda

alemdarimaAbertura cultural da V Semana do Hip Hop trouxe artistas de peso e pratas da casa

Por Lucas Mendes
Fotos: Lucas Rodrigues

De tudo um pouco e um pouco de tudo. Quem colou no Parque Vitória Régia nesse domingo pôde aproveitar boa parte do melhor do rap nacional. O rolê foi o terceiro dia de atividades da V Semana Municipal do Hip Hop, considerado a abertura cultural do evento. Com artistas da cidade e convidados de fora, as atrações se estenderam até o final da noite, com as pedradas de Rapadura, Inquérito e Thaíde.

No começo da tarde, quem tomou conta do palco foi muita mina zica com rimas pesadas contra o machismo e as opressões da mulher, seguidas logo depois pelo show do AlemdaRima, grupo formado por Henrique Thomas e Allisson Ferreira. A dupla é da Casa, e eles já desenvolvem um trabalho com o Hip Hop há muito tempo. No show, eles foram acompanhados pelo DJ Ding, deejay residente da Casa do Hip Hop de Bauru.

“Pra nós aqui é tocar em casa, mano, e tirar uma onda. Aqui é tocar à vontade, nem dá pra sentir a pressão de tocar no palco do Vitória, pra nós é bem tranquilo, já não é a primeira vez, então é gostoso porque é um lugar que marca a cidade, que o pessoal se encontra aqui, e pra gente é mó daora de fazer parte”. É o que diz Henrique, logo depois da apresentação no palco do Vitória Régia.

alemdarima2

O grupo já há cinco anos vem propagando seu trabalho com o Hip Hop bauruense, a partir da formação que essa cultura possibilita. A presença nas edições anteriores da Semana também foi fundamental, como destaca Allisson. “Pra nós é uma satisfação imensa. A gente participou já da segunda edição em diante, e pra nós é muito louco ver tudo isso acontecendo, ver todo mundo que trampou o ano inteiro e o tanto de público que a gente alcançou… e esse é só o terceiro dia da Semana”.

Nova e Velha Escola. Apesar de recente, o trabalho da dupla já causou muito barulho. Prova disso é a sua participação garantida nas edições da Semana, além de terem dado o “pontapé inicial” nesta quinta edição do evento, abrindo as atividades lá na Estação Ferroviária, na última sexta-feira.

“Isso tudo é da gente, mas é também porque já tinha gente mais velha aqui, uma velha escola em Bauru estruturada e aberta para o novo”, reconhece Henrique. “Então a gente chegou e eles falaram ‘vem, vamo fazer assim’, e não teve café-com-leite, a gente chegou já brincando sério”, completa.

alemdarima3

Além das rimas e do trabalho em cima do palco, os caras participam da própria organização dos eventos. Como relembra Henrique, “todas as Semanas a gente tava envolvido com a produção, não só com o palco. O palco na verdade é só o fim do negócio”, diz ele. “A gente tá participando, vai na reunião. Tem projeto que só a gente desenvolveu na Semana, a gente que faz. Pra nós a Semana foi quem amadureceu a gente, porque a gente não teve tempo de brincar, foi chegar e fazer de verdade”, emenda.

Hip Hop de casa nova. Com a recente inauguração da Casa da Cultura Hip Hop, em agosto, novas oportunidades surgiram pra população bauruense e para a transmissão do legado da cultura Hip Hop. “Abrange um novo pessoal né?”, diz Allisson. “Tem muita gente que tem preconceito com o Hip Hop, por ele ser da rua, mas é tão influente na cidade que não tem como a pessoa falar mais nada”, completa.

alemdarima5

Pra ele, a oportunidade de um local próprio vai desenvolver melhor a cultura. “Essas oficinas vão chamar mais um público pra esse local, e só tem a ganhar a Casa do Hip Hop de Bauru. Porque o que a gente quer é construir mais e mais e deixar o bagulho o maior possível”, finaliza ele.

“A Semana ainda vai mexer com muita gente, ainda vai ter muita emoção, muita coisa louca. Ainda tá no começo e já foram coisas maravilhosas. Tá muito legal e a gente espera que seja um sucesso, tem muita gente trampando empenhada em fazer com carinho, fazer bem feito, quem tá vindo agora, não vai deixar de vir no próximo, quem não veio vai ouvir falar e vai querer vir. Então só tende a alcançar mais, ainda tá no começo e já tá desse jeito”, prevê Henrique.

Thaíde volta à Bauru pela terceira vez consecutiva para a Semana do Hip Hop

IMG_0860

Importante pilar do rap nacional, o rapper agitou o público e se emocionou com o crescimento da cultura Hip Hop na cidade de Bauru

Por Gabriela Martinez
Fotos: Felipe Moreno e Lucas Rodrigues

O primeiro domingo de atividades da V Semana do Hip Hop, que aconteceu no Parque Vitória Régia neste domingo (8), foi fechado com chave de ouro com o show do rapper paulistano Thaíde. Com a casa lotada, o rapper vibrou com a energia da galera que o esperava ansiosamente.

Pela terceira vez consecutiva na Semana do Hip Hop, Thaíde disse à nossa equipe que o movimento Hip Hop em Bauru está cada vez mais forte, parabenizou a equipe e comentou a crescente potência do movimento Hip Hop na cidade: “Chegar em 2015 e encontrar essa multidão de pessoas aplaudindo, segurando a onda de pé e cantando todas as músicas, isso a gente não pode deixar esfriar, tem que esquentar cada vez mais.” O rapper, que está na estrada desde os anos 80 e é considerado um dos mais importantes e influentes nomes da velha guarda no cenário do rap atual, conta que a primeira vez que veio à Bauru foi na década de 90 e que sempre foi muito bem recebido: “Em Bauru a gente sempre foi recebido com a cultura Hip Hop local, não é uma coisa copiada, é uma coisa de Bauru mesmo e isso é muito importante.”

DSC_0024

DSC_0035

Quando questionado sobre a luta do movimento Hip Hop contra o racismo, Thaíde ressaltou que o racismo sempre foi tema de outros estilos musicais, mas que de uma maneira tão direta e agressiva, somente o Hip Hop abordou. “A música rap, sem dúvida nenhuma, é uma grande arma contra o racismo no Brasil e em qualquer outra parte do mundo”.

IMG_0844
Thaíde e Ding

Thaíde ainda presenteou o DJ residente, DJ Ding com um exemplar de seu próprio disco a ser lançado na semana que vem, por ocasião do aniversário de ambas ser bastante próximo, Ding faz aniversário dia 4 e Thaíde comemora o nascimento no dia 5 de novembro. Ano passado Ding o presenteou com um DVD do primeiro show de Thaíde em Bauru, em 1992. Em retorno, Thaíde o presenteou com um vinil com remixes da música “Pra cima”, sucesso em 2007.

O primeiro domingo da Semana do Hip Hop encerrou-se com o show do grande Thaíde, mas recebeu também artistas consagrados do cenário atual, como o rapper cearense Rapadura Xique-Chico e o grupo Inquérito, além de artistas locais e uma linda apresentação de Maracatu.
IMG_0866

IMG_0945

 

 

 

 

 

“A gente quer colocar o nosso povo, a nossa cor na passarela”, diz Yngrid sobre Desfile de moda Favela Fashion Zic

Casa do Hip Hop e artistas locais lançam coleção de roupas exclusivas durante a V Semana

Por Lucas Zanetti
Fotos: Thamires Motta

“Pra quem acha que favela não curte moda, tai uma prova. Nós curtimos o bang e ainda temos bom gosto”. Este foi o discurso de Yngrid Suellen, co-idealizadora do desfile “Favela Fashon Zic”, que aconteceu no último sábado, 7 de novembro, na Estação Ferroviária durante a V Semana do Hip Hop de Bauru.

IMG_2307
Yngrid Suellen na abertura do desfile

“Nós não nos somos representadas no mundo da moda. A gente quer colocar o nosso povo, a nossa cor lá na passarela. Nosso povo preto, pobre e periférico”, explica Yngrid, que também é estudante de moda e oferece oficinas de customização de roupas na Casa do Hip Hop. “Eu quis inserir o movimento Hip Hop na moda porque a gente também gosta de se vestir bem, só que as pessoas não reconhecem isso, infelizmente’’, completa.

IMG_2291

“O maior motivo é mostrar que a gente está vivo não só para o público do Hip Hop, mas para quem está de fora também”

O evento contou com o lançamento da nova coleção de camisas da Casa do Hip Hop, inspirada em militantes e personalidades do movimento negro como Zumbi dos Palmares, Nelson Mandela, Marighella, Malcolm X e Carolina de Jesus, sendo desenvolvidas pelo dono da BlackStar Design e designer da Casa do Hip Hop, Robinson Oliveira, conhecido como Robinho. “O maior motivo é mostrar que a gente está vivo não só para o público do Hip Hop, mas para quem está de fora, mostrar que a gente tem capacidade de desenvolver coisa legal”, explica Robinho.

Além da nova coleção, o desfile também contou com as camisetas personalizadas dos grupos Além da Rima, Ment Blindada, JotaF&Black Thing Skateboarding DJ Ding e P.D.G Records. O evento também contou com a participação especial da Bauru Breakers Crew dançando e se apresentando antes dos desfiles, som da discotecagem black music do DJ Moonhbeat’s.

IMG_2207 IMG_2267 IMG_2293

Para quem desfilou, o “Favela Fashon Zic” também representou. Os modelos da Casa do Hip Hop tiveram liberdade para desfilar da maneira que acharam melhor, sem ficarem presos aos desfiles de moda tradicionais. Muitos utilizaram elementos do breaking em suas apresentações, que renderam aplausos e delírios do público. “Cada um desfilou no seu estilo. Isso que eu achei daora. Você desfila, faz a pose do jeito que quiser”, explica a modelo Ana Gabriela Rodrigues.

A nova coleção da Casa do Hip Hop conta com modelos adultos e infantis unissex, e pode ser adquirida por preços acessíveis entre R$ 30,00 e R$ 60,00 durante toda Semana do Hip Hop ou na Casa do Hip Hop. Os modelos são limitados.

IMG_2118 IMG_2264

 

*O desfile foi idealizado e organizado por Yngrid Suellen e Jéssica Rabello

*Veja todas as fotos no Facebook da Semana do Hip Hop de Bauru

 

AlemdaRima, muito além do show


Por Mariana Lacava
Fotos: Lucas Rodrigues e Felipe Amaral

AlemdaRima, DJ Ding e DJ Shinpa abrem a V Semana do Hip Hop com muito rap nacional de qualidade, mostrando a forma que o interior paulista tem e o quão influente é a música que sai da nossa cidade.

DJ Ding, residente da Casa do Hip Hop de Bauru e um dos produtores culturais essenciais na cidade permanceu ao lado de DJ Shinpa, atual vice-campeão do DMC Brasil, um dos maiores campeonatos de DJ do mundo. Ambos prestigiaram a abertura da Semana do Hip Hop 2015 lá na Estação, tocando muitos clássicos e inovações autorais. 

O grupo AlemdaRima conta com os integrantes Henrique Thomas e Allisson Ferreira, que há cinco anos desenvolve trabalhos em Bauru por meio da cultura Hip Hop na cidade. Ainda muito jovens, acreditam que todo esse processo evolutivo no movimento social cultural se deu por conta da formação e da militância que as edições anteriores da Semana do Hip Hop proporcionaram através de oficinas, debates e worskshops.

Henrique e Alisson começaram no Hip Hop por causa do amor e da habilidade com a musicalidade negra e as rimas. Sobre a Semana do Hip Hop, Henrique destaca que o festival deve um papel crucial na sua formação. “A gente aprendeu a ser militante, aprendemos sobre o que é a cultura de verdade, em suas raízes. Acompanhamos as outras edições desde o começo, brigamos pra virar lei, aprendemos como fazer, estávamos todos juntos brigando por isso. Participamos da construção da Semana desde as primeiras, de forma mais completa e nisso fomos nos desenvolvendo também como artistas, como grupo. As semanas do Hip Hop de Bauru são, pra nós, um grande marco em nossa carreira e em nossas vidas”, afirma.

IMG_9738
Allisson. Além da Rima.

Allisson complementa dizendo que aprendeu a trabalhar em conjunto e que isso o ajudou muito crescimento do grupo e pessoal. “Na nossa carreira a maior influência da Semana é o aprendizado, a experiência com palco, com produção de show essas paradas, bastidores…”

Formação. A Semana do Hip Hop de Bauru é um projeto que vem crescendo muito conforme os anos e nesta quinta edição apresenta uma forte programação de formação e militância por meio da cultura Hip Hop. Sobre a distância da capital e como isso influenciaria a produção musical, Henrique acredita que as influencias são positivas. “Não que influencie muito o conteúdo, mas acho que a distância é outro universo né, o interior é outro universo perto das grandes capitais. Por mais que a gente seja parecido não é a mesma coisa, então acaba que a gente desenvolve uma outra forma de fazer a parada, uma forma que realmente aborde nosso público daqui, que é diferente do público de lá.”

IMG_9751

“Num evento como a Semana, a gente agrega pessoas que não conheciam o movimento com pessoas que já conhecem, as pessoas que gostam e tem interesse, sabe? A gente mostra pra elas que existem pessoas que trabalham e que lutam pra desenvolver a cena”, afirma Henrique. A cena local é muito importante para a formação não só de público, mas principalmente de militantes e de jovens críticos, artistas, produtores. “Nossa cidade tem Hip Hop de qualidade, tem graffiti, tem DJ, tem MC e tem b.boy pra caramba”, afirma.

Realização pessoal. O show do AlemdaRima foi muito esperado pelo público e pelos jovens do grupo, por conta de todo o envolvimento desde a construção das primeiras Semanas até se apresentar no palco, hoje, cinco anos depois. Allisson pontua ainda que essa edição, por ser a maior até hoje, proporcionou pra eles um grande aprendizado e evolução pessoal e profissional.  “Foi ‘sem palavras’ abrir o palco dessa semana, como o próprio nome do nosso novo disco diz, ‘Abrindo a trilha’, conseguimos chegar com músicas novas e foi muito emocionante ver as pessoas cantando nossa música, foi um bagulho emocionante, ver que o Hip Hop esta realmente chegando a diversos pontos da cidade e não só da nossa cidade…”, sonha.

Vinão, convidado pelo Além da Rima
Vinão, convidado pelo Além da Rima

Hoje a missão foi “dar o primeiro toque na bola em final de copa do mundo”, segundo Henrique. “A questão de ter o maior ou menor palco, ou maior público, não é importante pra nós, não tem isso. A gente quer ajudar a construir e desenvolver a cena do nosso jeito, mas o nosso foco é o nosso pessoal, nosso público que é a nossa família. Foi muito emocionante e muito gratificante toda essa energia e movimento bonito que rolou hoje aqui… Nossa, é uma honra tremenda pra nós”.

Esse primeiro dia da V Semana do Hip Hop foi mesmo recheada de muito rap nacional com as apresentações dos grupos Renegados Mc’s e AlemdaRima, levando a galera ao máximo da emoção com muita música e energia do bem. A exposição de Graffiti “Quem é quem” também trouxe muita cultura aos nossos olhos, reunindo 10 artistas locais e regionais.

Renegados MCs
Renegados MCs

A batalha de MC levou ainda mais emoção para o público, fechando as atividades do primeiro dia da Semana do Hip Hop Bauru 2015.

E não para por aí! Hoje ainda tem Encontro de Graffiti no Viaduto da Nações Unidas,  Cortejo Hip Hop,  II Fórum Nacional de Hip Hop de Bauru e o Desfile de moda urbana “Favela Fashion Zic”.

Confira a programação completa no nosso site >> http://bit.ly/1MafXg3

Energia, positividade e homenagens no Rap Hour Outubro

Convidados especiais deram o tom ao encontro mensal e fortaleceram as homenagens

Por Keytyane Medeiros

No último dia 14 de outubro, quarta-feira, aconteceu mais um Rap Hour no Teatro Municipal de Bauru. Com a presença de Thiago NGO, Bruno BL e DaBrisa MC, além do DJ residente, DJ Ding, mais uma vez o centro de convivência de um dos principais polos culturais da cidade esteve lotado para receber mais uma grande festa do rap nacional.

Como não poderia deixar de ser, no palco do Rap Hour passaram artistas novatos e consagrados, apresentando seus sucessos e novos trabalhos e muita música nacional nas pick-ups do Dj Ding.

Da Brisa MC e Carioca
Da Brisa MC e Carioca

Da Brisa MC, rapper iniciante, ainda um pouco tímido, abriu a noite com canções sobre a vida bauruense, o amor ao rap ficou evidente em “Contraditório”, uma das músicas mais conhecidas de seu repertório. Além disso, Da Brisa também convidou Carioca para mandar algumas rimas e fazer uma bela conexão “14-21” como chamaram, referindo-se aos DDDs das cidades de Bauru e Rio de Janeiro.

Bruno BL
Bruno BL

Com um pouco mais de experiência e pé na estrada, Bruno BL de Barra Bonita chegou com músicas pesadas e críticas. Entre as músicas mais impactantes está a crítica à violência policial nas periferias de São Paulo, para além das críticas vazias, Bruno reforça saber que há bons policiais na coorporação, mas acredita que em sua maioria, aqueles que vestem farda são tão corruptos quanto os que vestem paletós.

12169721_1070195829658264_1255352575_o
Thiago NGO faz pré-lançamento de CD “Minha Missão”

Thiago NGO chegou mais leve, mais emocionado. Logo no começo, prestou uma homenagem à mãe, que estava presente no local, com uma canção muito bonita sobre amor, carinho e dedicação. A canção “Mãe”, em parceria com Betin MC, está no novo CD de Thiago, “Minha Missão”, que também traz homenagem e uma palavra de esperança e fé na música “Filho”.

12168620_1070196092991571_1090033103_o
Mãe de Thiago NGO abraça Betin MC, que fez participação especial na música “Mãe”

Thiago que também é produtor e empresário na P.D.G. Records, gravadora totalmente dedicada ao rap em Bauru, levou para o palco seus mais talentosos artistas em participações especiais. Laura MC fez duo com Thiago na canção “Minha flor”, dedicada à Giovanna, esposa de Thiago.  David MC, rapper promissor da PDG Records, mostrou muita sintonia com Thiago NGO em palco e também deixou seu recado no palco do Rap Hour. A festa terminou num refrão suave, fino e verdadeiro característico de composições de Betin MC, que finalizou a noite ao lado de Thiago NGO, ecoando na cabeça de todos os presentes: “e quando a vida vai bem, eu continuo orando a Deus, e quando a vida vai mal, eu continuo orando a Deus”.

David MC em sintonia com Thiago NGO
David MC em sintonia com Thiago NGO
12164759_1070196169658230_1667470456_o
Laura MC
12168701_1070195702991610_1193012392_o
Betin MC fez participação com Thaigo NGO

III Semana Municipal de Hip Hop de Bauru: evento entra no calendário oficial da cidade

Terceira edição conta com nomes como GOG, Thaíde, Sombra e Projota

por Revista Rap Nacional*

Já consagrada como um dos maiores eventos culturais de Bauru, a Semana Municipal de Hip Hop chega à sua terceira edição mais forte que nunca. De 9 a 17 de novembro, o festival vai ocupar diversas áreas da cidade com shows de rap, exposições de graffiti, batalhas de breaking, sessões de cinema, oficinas, debates e ações educacionais.

É a primeira vez em que a Semana acontece como parte integrante do Calendário Oficial de Eventos da cidade, instituída pela Lei 6358, de 24 de maio de 2013. O reconhecimento do poder público trouxe novas dimensões ao festival, que este ano conta com quatro nomes de peso do rap nacional em sua programação. Thaíde, GOG, Sombra e Projota são shows confirmados, respectivamente, para os dias 9, 10, 16 e 17.

A agenda de shows inclui também artistas e grupos que fazem sucesso no cenário local do movimento. A escalação de bauruenses para a Semana conta com AlemDaRima, DJ Ding, D’Bronx, JotaF, BetinMC, Abanka, Dois1Dois, Thigor MC, Ment Blindada, Bandidos em Harmonia, Tiago Vurto, D’Quebra, Dom Black, RapNobre MC e Coruja BC1, menino prodígio que vem conquistando reconhecimento no circuito nacional desde o ano passado.

 

Palco “Interior tem voz”. Buscando valorizar a rica produção do Hip Hop além dos holofotes das grandes cidades, o festival realiza no feriado do dia 15 uma sequência de shows trazidos de diferentes cidades do interior paulista. Ao longo de toda a tarde, a praça pública do Parque Santa Edwiges recebe apresentações de Veneno H2 (Franca), Ramonstro (Barretos), Lheo Zotto (Ribeirão Preto), Sintonia Sonora (Barra Bonita), Daniel Garnet e Pqnoh (Piracicaba), Revolução LDE (Marília) e Prodígios (Jaú).

Lugar de mulher é no palco. Tendo entre seus organizadores a Frente Feminina de Hip Hop da cidade, a Semana não poderia deixar de ter atrações que representassem a força das mulheres no movimento. Duas MCs têm presença confirmada no evento: a são-carlense Sara Donato, que canta no Sambódromo no dia 10, e a paulistana Tábata Alves, escalada para o encerramento no Parque Vitória Régia, no dia 17. Além delas, a b.girl Aline Afrobreak vem da capital para ministrar uma oficina de breaking para meninas no dia 14, no Centro Cultural.

Hip Hop no currículo. Consciente do papel do Hip Hop como ferramenta de formação, a Semana tem como uma das suas principais características a realização de atividades educativas e conscientizadoras. Serão oficinas, debates e outras ações, com o objetivo de incentivar a reflexão e circular informação entre o público do evento.

Seis dos nove dias de festival contam com oficinas, dedicadas a oferecer informações básicas a quem gostaria de atuar em diversas vertentes do movimento. Haverá aulas gratuitas sobre produção de vídeos, graffiti, breaking e criação de beats. Já os debates e as rodas de bate-papo abordarão temas que vão da discriminação de camadas sociais desfavorecidas à presença da mulher no Hip Hop.

Henrique Tomas no Combo 5 Elementos

Além disso, a terceira edição da Semana tem como novidade a realização dos chamados “Combos dos Cinco Elementos” em escolas públicas de Bauru, levando bate-papos e apresentações aos alunos. Ao todo, oito escolas receberão os Combos, que acontecem nos dias 11, 12, 13 e 14.

 

Construção colaborativa. A 3ª Semana Municipal de Hip Hop é uma realização do Ponto de Cultura Acesso Hip Hop e da Prefeitura Municipal, em parceria com Frente Feminina de Hip Hop de Bauru, CurtaBauru, Casa Fora do Eixo Bauru, Wise Madness, Frente de Hip Hop do Interior Paulista, Rede Nacional das Casas de Hip Hop, Bauru Breakers Crew, Oficina Cultural Glauco Pinto de Moraes e Secretaria de Estado da Cultura. A iniciativa conta com o apoio de Caritas Diocesana, Conselho Regional de Psicologia, Rádio Unesp FM e Madiba Shop e Projeto Colorindo o Interior.

 

Flyer da III Semana Municipal de Hip Hop de Bauru
Flyer da III Semana Municipal de Hip Hop de Bauru

 

*publicado originalmente em 7/11/2013