Skate sem limites no filme Bauru ltda

Com produção e protagonismo 100% bauruenses, a Casa do Hip Hop recebeu a estreia do vídeo que retrata a cena local do skate

Texto por Lucas Mendes

A estreia do filme Bauru ltda, se depender do público que acompanhou sua exibição, foi um sucesso. Mais de 50 pessoas, na sua maioria skatistas da cidade, acompanharam a sessão, que rolou na Casa do Hip Hop na tarde desse sábado (13).

 

 

Bauru ltda é um vídeo de skate feito somente na cidade de Bauru. Nas filmagens participaram mais de 40 skatistas locais e alguns convidados, envolvidos num processo de produção que durou 3 anos, de forma independente.

“A gente começou a filmar em 2014, mas a ideia veio depois, e na hora que eu vi que tinha um material que já dava pra fazer alguma coisa, aí eu já lancei a ideia pros moleque”, diz Fabrício Ferreira, o diretor do vídeo.

A sessão de estreia movimentou a cena na tarde de sábado, e vários skatistas colaram na Casa, lotando a sala onde rolou a exibição e deixando gente acompanhando o filme do lado de fora.

E não poderia ter sido melhor a escolha do local. “Eu tive opção de escolher o teatro municipal”, revela o diretor. “Mas eu achei aqui mais legal, porque é undergound né. Lá no teatro eu não ficaria tão à vontade, não ia ter palavrão, gritaria. Não tem porque fazer lá, mesmo que aqui seja pra 50 pessoas”, admite.

Nas paredes do corredor da Estação Ferroviária ficaram expostas algumas fotos feitas durante as filmagens, que contaram com os cliques do próprio Fabrício e do fotógrafo Cristiano Cunha.

Produtor audiovisual e fotógrafo, o sul-mato- grossense Fabrício é skatista há 10 anos, desde que chegou a Bauru, com 16 anos de idade. Ele já está na cidade sem limites há 10 anos e explica que a ideia foi mostrar um pouco do cotidiano e das vivências dos skatistas de rua daqui. Sobre o nome, “Bauru ltda”, ele explica: “significa Bauru limitada, porque já que Bauru é a cidade sem limites, o que a gente tem que fazer é andar em todos os picos e limitar ela”.

É um retrato 100% bauruense. “A hora que eu fui ver, só tinha imagem de dentro, só imagem daqui de Bauru”, diz Fabrício. “Então a gente já tinha um tema, e quando já tem isso é legal, é show de bola, porque aí você pode expressar sua arte do jeito que quiser, você já tem um tema em cima dela”, explica.

Nessa missão, depois de 3 anos filmando e acompanhando o dia-a- dia, segundo Fabrício o que mais se destaca é a “união monstra” da galera, apesar dos inevitáveis problemas. “Olha o tanto de cara que a gente conseguiu filmar”, conta ele. “Toda a vez que a gente ia gravar colava uma galera, e colava polícia. Teve muita treta, teve muito tombo feio, cara desmaiando. E eu tenho tudo essas imagens, só que eu não coloquei porque minha intenção era fazer um vídeo alto astral, pras pessoas darem risada e mostrar o lado bom de andar na rua”, completa ele, que garante:

“Skate é rua e nunca vai parar”.

Confira abaixo o teaser do Bauru Ltda Skate vídeo:

Teaser Bauru ltda skate video

salve galera como alguns já sabem dia 13/05 estaremos lançando o Bauru ltda skate video, as 16:00hs na casa do hip hop (estação ferroviária ), com entrada franca e a noite as 23:00hs vai ter a festa de lançamento no Jack pub music Bauru, com o show da banda Bauruense Legalê e Projeto SOMV, valor pra entrar é 10 reais até 00:00! (proibida a entrada de menores de 18 anos)segue o link do vento da casa do hip hop (estação ferroviária)https://www.facebook.com/events/1843514129306256/segue o link do evento da festa de lançamento (Jack Music Pub ) https://www.facebook.com/events/1677740332528512/?ti=cl

Publicado por Bauru ltda. em Segunda, 8 de maio de 2017

 

Mais informações podem ser encontradas na página do filme:

https://www.facebook.com/Baurultda/

Os DVDs com o filme estão sendo vendidos pelo próprio diretor.

Encarceramento é tema de debate em Bauru nesta sexta-feira


Nos próximos dias, o sistema prisional brasileiro será tema de debates e cine-fóruns em Bauru.

Nesta sexta-feira, 17, o Coletivo Negro Kimpa da Unesp Bauru realizará o debate “Encarceramento em Massa e Racismo”. O evento é aberto e acontecerá às 19h no auditório da Faculdade de Engenharia.

O debate coloca em pauta a superlotação dos presídios e o fato da maior parte dos presos e presas serem negros e negras, em uma proporção maior do que a encontrada na população brasileira, relacionando também os assassinatos no Brasil, que têm ampla maioria negra, como aponta o Mapa da Violência 2016.
“A situação carcerária no Brasil é problema e não é de hoje, porém os recentes atentados fizeram com que a população atentasse seus olhos para a situação, não para pensar o que se passa, mas para criticar, desmerecendo o lado humano dos que vivem encarcerados.
“O Debate torna-se importante a medida que o tema vai desmembrando-se, fazendo com que seja observada o déficit estrutural de uma conjuntura política, legislativa e social que culminam no quadro carcerário atual.” afirma Gabriel Rangel, integrante do Coletivo Kimpa, “Temos boas expectativas para este debate, não pensando na “promoção” do coletivo Negro que o está realizando, mas pensando em como este assunto deve ser dialogado não só entre a comunidade acadêmica mas entre toda a população.”

Para debater essas questões, o Coletivo convida Enedina Amparo Alves, doutoranda em Direito pela PUC-SP, e autora da dissertação “Rés Negras, Judiciário Branco”, em que discute a situação carcerária no país e acompanha uma série de mulheres negras que foram presas sob critérios que apontam racismo; e Juliana Borges, ativista da ONG “Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas”, que relaciona o encarceramento em massa brasileiro com a política de guerra às drogas, principal responsável pelas prisões no Brasil.

Já na próxima quinta-feira, 23, a Casa do Hip Hop de Bauru exibe o documentário Sem Pena, no CinePixote. O documentário retrata o sistema jurídico e prisional brasileiro, através de depoimentos de detentos, ex-presidiários, advogados, magistrados, funcionários do sistema penal, etc., revelando a realidade por trás da quarta maior população carcerária do mundo.

Após a exibição, a discussão fica por conta de Dharlão, MC local, e Tatiana Vieira, integrante da Frente Feminina de Hip Hop de Bauru.

A sessão é gratuita.

A arte tomando vida: Segunda edição do evento “Inspire-se”

Tinta ou spray e muita inspiração, assim as obras na parede da antiga Casa do Biscoito no centro da cidade tomam vida.

Texto e fotos por Felipe Sousa

A segunda edição do evento Inspire-se aconteceu no último domingo, 15. O evento trouxe um pouco da experiência do elemento graffiti, da pichação, além do rap, break e patins ao público amante da arte marginal.

O evento acontece a cada três meses, organizado e idealizado pelos artistas Vini Vira-lata e André, essa cerimonia da arte tem como objetivo mostra os artistas da cidade que usam do graffiti, e da pichação para se expressarem. André conta que a ideia é unir todos os elementos do hip hop, com destaque para o graffiti e a street art que é considerado um esporte. “A gente tá unindo tudo que está separado que a sociedade não curte, e está fazendo um evento para a sociedade. A ideia veio daí, o Vini com os elementos do hip hop, graffiti e rap, e eu como adorador e admirador desse esporte.”  Vini complementa em suas palavras sobre o nome do evento e o seu ideal. ”A ideia era mostrar que a arte é uma evolução diária, ninguém é melhor que ninguém, mas num dia aquele pode está inspirado e p outro não, e vice versa, é uma batalha diária apesar de acontecer [o evento] de três em três meses.”

Uma das atrações mais esperadas era a competição de Bomb. Nessa modalidade, o artista tem apenas cinco minutos para mostrar o seu talento nas paredes, e o público decide o vencedor.  

 

O evento também teve apresentações de patins nas pistas plantadas no espaço, e patinadores do ABC Paulista deram um show de habilidade em uma pequena apresentação.

 

A tarde ainda recebeu as batalhas de break, os integrantes da Bauru Breakers Crew e apresentações dos grupos da região Dilema, Renegados Mc’s, Ouro D’mina e Rimanos e Dentão da Rima que também foi o mestre de cerimônia e encerrou as atividades.

 

Inspire-se agradou o público presente e mostrou um pouco da vivência dos artistas que vivem da arte marginal, a terceira edição ainda não tem data marcada, mas já é aguardada ansiosamente  pelo público amante e fã do evento.